0

Projeto Iracema contra a COVID

Como podemos lutar juntos contra o coronavírus?

Nosso objetivo é compartilhar informação segura e contribuir
para que todos possamos superar esta pandemia que
se espalhou pelo nosso planeta.

Como Prevenir

Proteção

Como se proteger

Sintomas

Verifique os sintomas básicos

Diagnóstico

Obter consulta online

Sobre a COVID-19

Saiba mais sobre o Coronavírus

Pense que você pode ser afetado

Experimente nosso verificador de COVID-19 para descobrir o que você precisa fazer.

COVID-19 a doença

Sobre o Coronavirus

A doença de coronavírus 2019 (COVID-19) é uma doença infecciosa causada pelo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2. A doença foi identificada pela primeira vez em 2019 em Wuhan, capital de Hubei, China, e desde então se espalhou globalmente, resultando em 2019-2020 na pandemia do coronavírus.

O que é o COVID-19?

COVID-19 é uma nova cepa de coronavírus que não foi previamente identificada em humanos. Foi identificado pela primeira vez em Wuhan, província de Hubei, China, onde causou um surto grande e contínuo. Desde então, espalhou-se mais amplamente na China.

Leia mais sobre
Rastreador Mundial

Casos confirmados de Coronavírus

Atualizado diariamente

Total de Casos

Total de Mortes

Recuperados

Novos Casos

Sintomas da COVID-19

Quais são os sintomas básicos?

Febre Alta

A febre é um dos sintoma, mas não ocorre em todos os casos, por isso se tiver febre com pelo menos 39° C de temperatura, fique atento.

Dificuldade ao Respirar

Cerca de 1 em cada 6 pessoas que são contaminadas pela COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade em respirar ou falta de ar.

Tosse Seca

A tosse é outro sintoma fundamental, mas não é apenas uma tosse, Deve ser uma tosse seca prolongada que voce sente no peito.

Dor de cabeça

Vovê pode sentir uma dor de cabeça que incomoda bastante. É um sinal comum e também pode aparecer em 2 a 10 dias no caso de contágio.

O que você precisa fazer

Como se proteger?

O que envolve o auto-isolamento?

Se precisar se auto-isolar, você deve agir imediatamente. Você deve ficar dentro de casa e evitar todo contato com outras pessoas.

De que outra forma você pode se proteger
Processo de lavagem das mãos

Como lavar as mãos

1

Aplique sabão e esfregue as mãos juntas

2

Use uma mão para esfregar as costas da outra e vice-versa

3

Esfregue as mãos e limpe entre os dedos

4

Esfregue as costas dos dedos nas palmas das mãos

5

Esfregue o polegar com a outra mão e vice-versa

6

Esfregue as pontas dos dedos na palma da outra mão e vice-versa

Ficar em casa

Fique em casa se sentir os sintomas e consulte o seu médico por telefone

Lave as mãos frequentemente

Limpe suas mãos com álcool ou lave-as com sabão por pelo menos 20 segundos.

KMantenha distância social

Mantenha pelo menos 2 m de distância entre você e qualquer pessoa, se estiver entre pessoas.

Usar máscara facial

Quando você estiver perto de outras pessoas e antes de falar com o médico.

O que você deveria fazer

Como prevenir o coronavírus?

Alguns detalhes sobre como a doença é transmitida ainda são desconhecidos e estão sendo determinados. A OMS declarou que ela é transmitida principalmente durante contato próximo e por gotículas respiratórias produzidas quando as pessoas tossem ou espirram com contato próximo a 1 a 2 metros. Um estudo realizado em Cingapura descobriu que a tosse pode levar a gotículas que viajam até 4,5 metros.

Gotas respiratórias também podem ser produzidas durante a expiração, inclusive quando se fala, embora o vírus geralmente não seja transmitido pelo ar. Essas gotículas podem pousar na boca ou no nariz de pessoas próximas ou possivelmente inaladas nos pulmões. Alguns procedimentos médicos, como intubação e cardiopulmonar ...

Leia mais sobre a Prevenção
Tem perguntas? Encontre Respostas!

perguntas frequentes

O que são coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

O que é o vírus COVID-19?

A COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que apresenta um quadro clínico que varia de infecções assintomáticas a quadros respiratórios graves.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a maioria dos pacientes com COVID-19 (cerca de 80%) podem ser assintomáticos e cerca de 20% dos casos podem requerer atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade respiratória e desses casos aproximadamente 5% podem necessitar de suporte para o tratamento de insuficiência respiratória (suporte ventilatório).

Como o COVID-19 se Espalha

Gotículas de saliva, espirros, acessos de tosse, contato próximo e superfícies contaminadas… Dá para resumir assim as principais vias de transmissão do novo coronavírus, causador da Covid-19.

Um estudo americano recém-publicado no respeitado periódico médico The New England Journal of Medicine descobriu que o vírus sobrevive por algumas horas em suspensão no ar ou até dias em certas superfícies.

“O que mais chama atenção nesse trabalho é que se observou que o coronavírus resiste por até três horas na forma de aerossol, isto é, se eu estou infectado e espirro numa sala, ele consegue ficar espalhado pelo ar e infectar outra pessoa em quase três horas”, diz o virologista Paulo Eduardo Brandão, professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP).

A investigação também desvendou que o vírus chega a ficar até três dias sobre estruturas ou objetos de plástico ou aço inoxidável. São achados que, segundo Brandão, reforçam a necessidade de duas medidas: isolamento social e higiene das mãos.

Pandemias ao longo da História

A história da humanidade não é marcada apenas pelos grandes impérios, grandes guerras e o avanço material e tecnológico do homem no tempo, mas também pelas grandes doenças que afetaram os mais diversos povos.

As epidemias e pandemias que aconteceram e foram registradas ao longo da história causaram momentos de grande tensão e foram catalisadores de transformações em alguns casos. São acontecimentos que colocaram sociedades inteiras sob ameaça e, por isso, são objetos de estudo dos historiadores. Vamos conhecer algumas delas?

Peste de Atenas (430-427 a.C.)

A partir do verão de 430 a.C., a cidade de Atenas, uma das grandes cidades da civilização grega, foi atingida por um surto epidêmico. A epidemia foi registrada pelo grego Tucídides, historiador que também relatou a Guerra do Peloponeso. A doença teve um grande surto entre 430-429 a.C., enfraqueceu-se durante 428 a.C. e ganhou força novamente a partir de 427 a.C.

Peste Negra (1347-1353)

As epidemias e pandemias não ficaram reclusas à Antiguidade e estenderam-se por outros períodos também, como a Idade Média. Esse período da história presenciou uma das maiores pandemias da humanidade, a de peste bubônica, que recebeu o nome de peste negra e é tradicionalmente conhecida por ter dizimado, pelo menos, cerca de 1/3 da população europeia.

Gripe Espanhola (1918-1919)

O começo do século XX também ficou marcado por uma pandemia que atingiu todos os continentes do planeta e causou a morte de, pelo menos, 50 milhões de pessoas. Essa doença ficou conhecida como gripe espanhola, sendo causada por uma mutação do vírus influenza, e afetou, inclusive, o Brasil.

Ebola (2013-2016)

A ebola é uma doença grave e capaz de matar tanto seres humanos quanto primatas. Recentemente, entre 2013 e 2016, causou um surto epidêmico em regiões da África Ocidental. Esse surtou chamou a atenção da Organização Mundial da Saúde e de muitos países – alguns deles, inclusive, chegaram na época a decidir pelo fechamento de suas fronteiras para pessoas vindas daquela região.

O que é Isolamento Social

O isolamento social é o ato de separar um indivíduo ou um grupo do convívio com as outras pessoas. O isolamento pode ser voluntário ou forçado – que é o tipo que estamos sujeitos hoje.

Então, no atual momento da COVID-19, ele tem funcionado como uma medida de distanciamento social que, na prática, consiste no total isolamento de pessoas que tiveram contato com um infectado, para quem está aguardando resultados dos testes para a doença ou até mesmo por quem apresentou sintomas.

Hoje os órgãos de saúde estão trabalhando com duas frentes de isolamento: isolamento vertical, para os grupos de risco e isolamento horizontal, que se estende para toda a população e é recomendada para todos aqueles que não trabalham com atividade essenciais e podem ficar em casa.

Importância do isolamento social no combate à COVID-19

Agora com a pandemia causada pela COVID-19, a população do mundo todo está tomando medidas para promover o isolamento social a fim de evitar a propagação da doença.Os critérios elencados pelas autoridades sobre o isolamento social têm embasamento e servem para reduzir a intensidade de infecções, visto que a aproximação com alguém é infectado é suficiente para o contágio da doença. Por isso, além das medidas medidas individuais de higienização, como passar álcool gel nas mãos, é de extrema importância esse isolamento para o controle epidemiológico da pandemia.

Nesse momento, as ações coletivas são ainda mais importantes. É através do isolamento que as autoridades de saúde poderão rastrear a circulação do vírus e tratar os pacientes de forma efetiva, evitando novos contágios.Por isso é importante a colaboração de cada um, ficando em casa, para seguirmos no combate à Covid-19.

Como usar a máscara corretamente

As máscaras têm um papel importante em conter a secreção no momento da tosse e, nas conversas, auxiliando quando estivermos nas áreas externas. Porém, para que esse “papel protetor” aconteça, é necessário adotar vários cuidados.

Elas devem cobrir nariz e boca, e não deve haver aberturas laterais. As máscaras de tecido são de uso individual e, portanto, não devem ser divididas com mais ninguém, inclusive entre pessoas da mesma família. É importante que haja uma mudança de comportamento. A atitude mais importante é o distanciamento social. Ou seja, a melhor forma de prevenir o contágio é manter distância.

As máscaras de tecido devem ser substituídas em até 3 horas de uso. Se durante o uso, a máscara ficar úmida antes desse tempo, como, por exemplo, após tosse ou espirro, é necessário substituí-la por outra máscara. Portanto, o ideal é sair de casa com máscaras extras. A quantidade vai depender do tempo que a pessoa passará fora de casa.

As máscaras descartáveis também devem ser substituídas sempre que estiverem úmidas. As mesmas devem ser jogadas no lixo após cada uso, não devendo ser reaproveitadas.

Como proteger crianças e bebês

Saber que as consequências nas crianças comumente não são graves não é motivo para deixar de tomar os cuidados com as nossas crianças. Afinal, não há como prever a gravidade do quadro e também porque elas podem ser transmissoras do vírus para os idosos ou pessoas com outras doenças.

Existem casos notificados de óbitos e casos graves em crianças, mas em proporções bem menores que o que ocorre em idosos ou portadores de comorbidades (diabetes, hipertensão, cardiopatia etc). Essas pessoas sim podem desenvolver casos graves devido ao contato com a criança infectada. Por isso, precisamos cuidar igualmente das nossas crianças para que a família toda fique protegida.

As medidas mais eficazes para o controle da transmissão são precauções básicas de higiene:

Lavagem de mãos, uso de álcool gel ou antissépticos: não é necessário usar mais de uma coisa, quando estiver disponível pia e sabão dê preferência para a lavagem de mãos, leve o álcool gel ou o antisséptico na bolsa para quando estiver na rua e não houver como lavar as mãos. O uso de antissépticos adequados é uma opção bastante eficiente para que haja uma duração maior de proteção nas mãos e até para proteger a pele do bebê do contato com álcool.

Higienização de brinquedos: guardar brinquedos de pano ou madeira, dar preferência para brinquedos de plástico que podem ser higienizados com álcool 70° pois as crianças levam tudo na boca.

Uso de máscaras: recomendado uso universal pelo Ministério da Saúde. Já obrigatório no Brasil em várias cidades, Belo Horizonte é uma delas. As máscaras devem ser usadas sempre que sair de casa e trocadas sempre que chegar ou ultrapassar mais de 2horas de uso. A máscara deve cobrir a boca e o nariz, ideal que seja de tecido duplo, e não devem ser usadas por menores de 2 anos (risco de asfixia e contaminação).

Como lavar corretamente as mãos

Para eliminar todos os vestígios do vírus em suas mãos, uma ensaboada e uma enxaguada rápidas não serão suficientes. Abaixo está um processo passo a passo para uma lavagem eficaz das mãos.

Passo 1: Molhe as mãos e os pulsos com água corrente.

Passo 2: Aplique sabão suficiente para cobrir as mãos e os pulsos molhados.

Passo 3: Esfregue todas as superfícies, incluindo as costas das mãos, entre os dedos e as unhas, e punhos por pelo menos 20 segundos.

Passo 4: Enxágue abundantemente com água corrente.

Por quanto tempo devo lavar minhas mãos?

Você deve lavar as mãos por pelo menos 20-30 segundos. Uma maneira fácil de cronometrar é cantando a música “Parabéns pra você” duas vezes. O mesmo vale para o álcool gel. Use um desinfetante para mãos que contenha pelo menos 70% de álcool e esfregue-o nas mãos por pelo menos 20 segundos para garantir a cobertura total.

Qual tipo de Alcool em gel devo usar?

A indicação é que o produto seja o álcool 70, isto é, que seja composto de 70% de álcool etílico (etanol). De acordo com o Conselho Federal de Química, essa é a quantidade necessária para combater micro-organismos como bactérias, vírus e fungos.

É possível identificar esse grau observando o rótulo do produto. Às vezes, em vez do símbolo %, é usada a bolinha ° que indica “graus”, como nas marcações de temperatura.

O álcool gel pode ser encontrado em mercados, farmácias e perfumarias, e um frasco pequeno para ser levado na bolsa custa em torno de 5 reais. Seja consciente e não acabe com os estoques das lojas. Todos precisam ter acesso às formas de prevenção para que o vírus não se propague.

Como desinfetar a casa

Realizar corretamente os procedimentos de limpeza não só ajuda quem está em quarentena a sair do sufoco como também manter o ambiente livre de contaminação. "Na hora da faxina é preciso aliar bem-estar, conforto e segurança, reduzindo a carga de agentes microbianos no ambiente", explica Thais Silveira, responsável pela área de Qualidade, Segurança do Trabalho e Treinamentos (QSSMA) da InService, empresa especializada em limpeza.

Segundo a executiva não há fórmula mágica, mas procedimentos adequados ajudam no rendimento e no resultado final. Desta forma, a indicação para limpeza e desinfecção é sempre começar a limpar do ambiente mais sujo para o que tem menos sujidade. Limpar sempre de cima para baixo; de dentro para fora; e de trás para frente. Do fundo para fora.

São necessários apenas dois ou três tipos de produtos para fazer a limpeza e a desinfecção da casa:

- detergente neutro para retirada da sujidade das superfícies

- desinfetante de uso geral

- ou Cloro (hipoclorito de sódio)

A indicação é limpar a superfície com o detergente e remover a sujidade. Logo após aplicar o desinfetante seguindo a recomendação de diluição em água indicada no rótulo do produto pelo fabricante para fazer a desinfecção. Uma alternativa para potencializar o efeito da desinfecção é aplicar o produto puro (sem diluir).

Já o cloro, muito utilizado pelas donas de casa, tem bom desempenho como desinfetante, porém pode agredir a superfície. Além disso, é tóxico para o meio ambiente e o cheiro forte pode provocar intoxicação em ambientes fechados. A dica então é utilizar a versão cloro em gel

Como higienizar os alimentos

Diante da pandemia da COVID-19, é preciso repensar a maneira como consumimos, manuseamos e armazenamos alimentos, embora não existam evidências sobre a transmissão de coronavírus por meio da ingestão ou da manipulação de comidas, existem os chamados fômites, ou seja, “superfícies e objetos inanimados nos quais, dependendo do material, o vírus pode ficar vivo e infectante durante horas”.

Um estudo publicado pelo New England Journal of Medicine aponta que o novo coronavírus pode sobreviver por horas em superfícies como papelão e plástico (até 24 e 72 horas, respectivamente). Embora o risco de contaminação ao tocar embalagens de comidas seja baixo, há razão para adotar cuidados. Confira abaixo quais são as formas de higienização e conservação de frutas, verduras, alimentos industrializados e comidas entregues em casa.

Frutas e Verduras

No caso de frutas e verduras, existem cuidados para guardá-las e, depois, de consumi-las. Antes de armazená-las em sua casa, lave as frutas e verduras com um sabão líquido neutro, enxaguando-as e secando-as bem. Já antes preparar esses alimentos, é importante a higienização com uma solução para sanitização que é encontrada nos mercados. Caso não seja possível faça a solução de forma caseira: basta diluir, em um litro de água filtrada, uma colher de sopa de água sanitária sem cheiro ou cor.

Alimentos Industrializados

As embalagens de produtos industrializados são manipuladas desde a fábrica até a sua disposição nas prateleiras e gôndolas de estabelecimentos comerciais. Além disso, podem ser manuseadas por outras pessoas durante essa exposição, por isso deve ser feita higienização de alimentos embalados com água e sabão, ou passar um pano limpo ou guardanapo com álcool gel. Se possível, isso deve ser feito do lado de fora de casa ou na área de lavagem de roupas, antes de guardá-los nos armários e na geladeira.

O que é achatar a curva?

A expressão pode ser nova para você, mas “achatar a curva” há muito tempo é utilizada por epidemiologistas, os chamados detetives da comunidade científica.

Uma curva epidêmica representa a progressão de um surto. Reflete o número de pessoas que ficam doentes por um período determinado de tempo. Portanto, uma curva muito acentuada mostra que uma grande amostra de indivíduos está sendo diagnosticada na mesma época.

Uma curva mais plana, por outro lado, sugere que o número de casos de uma doença específica, como a COVID-19, está se propagando com menos força e por um período de tempo maior, sem picos.

Atualmente, o coronavírus está se espalhando como fogo no Brasil e em outras partes do mundo. Portanto, os esforços para “achatar a curva” têm como objetivo reduzir essa disseminação, tão rápida e feroz. E isso é essencial por um único, mas importante motivo: quer dizer que se for possível conter a explosão de casos simultâneos, vidas serão salvas.

Tratamentos Disponíveis

Pesquisadores, cientistas e profissionais da saúde no mundo todo têm focado sua energia e recursos em busca de uma reposta rápida para a pandemia causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Infelizmente ainda não existe um medicamento que atue comprovadamente contra a COVID-19, mas no mundo todo existe uma corrida para encontrar um tratamento ou vacina. Como a vacina demanda de um tempo maior, pesquisadores estão focados em alguns medicamentos queinicialmente se mopstraram eficases e estão em testes avançados, que são eles:

O Remdesivir (GS-5734 ™) é um medicamento antiviral desenvolvido por Gilead Sciences desenvolvido inicialmente para tratamento do Ebola, mas experimental para para tratamento de doenças como MERS e em fase de testes para o novo coronavírus SARS-CoV-2.

O Favipiravir é um medicamento antiviral desenvolvido pela Toyama Chemical (grupo Fujifilm) do Japão com atividade contra muitos vírus de RNA.

Verificou-se que o medicamento é eficaz no tratamento da infecção em dois ensaios em Wuhan e Shenzhen. O resultado foi divulgado pelo doutor Zhang Xinmin, diretor do Centro Nacional da China para o Desenvolvimento da Biotecnologia sob o Ministério da Ciência e Tecnologia.

Teste clínico com o medicamento Favipiravir (T-705, Avigan ou Favilavir) demonstrou boa eficácia clínica no tratamento experimental de pacientes infeccionados com o novo coronavírus COVID-19.

A gigante farmacêutica japonesa Takeda anunciou que está desenvolvendo um medicamento contra o novo coronavírus, e que está em contato com órgãos reguladores de todo o mundo para acelerar o lançamento.

A empresa está iniciando o desenvolvimento de uma globulina hiperimune policlonal anti-SARS-CoV-2 (H-IG ) para o tratamento de indivíduos de alto risco infectados com COVID-19, além de estudar se os produtos atualmente comercializados e em desenvolvimento da Takeda podem ser utilizados para o tratamento eficaz de pacientes infectados. O SARS-CoV-2 é o vírus que causa o COVID-19.

As globulinas hiperimunes são terapias derivadas do plasma que anteriormente demonstraram ser eficazes no tratamento de infecções respiratórias virais agudas graves e podem ser uma opção de tratamento para o COVID-19. Como líder em terapias derivadas de plasma, com mais de 75 anos de experiência no desenvolvimento de produtos derivados de plasma, a Takeda tem a experiência necessária para pesquisar, desenvolver e fabricar um potencial H-IG policlonal anti-SARS-CoV-2, ao qual a Takeda está se referindo como TAK-888.

O que é Lockdown

Lockdown é a versão mais rígida do distanciamento social e quando a recomendação se torna obrigatória. É uma imposição do Estado que significa bloqueio total.No cenário pandêmico, essa medida é a mais rigorosa a ser tomada e serve para desacelerar a propagação do novo Coronavírus, quando as medidas de isolamento social e de quarentena não são suficientes e os casos aumentam diariamente.

Como Funciona o Lockdown

Consiste em restringir a circulação da população em lugares públicos, permitindo apenas, e de forma limitada, para questões essenciais, como ir à farmácias, supermercados ou hospitais. O descumprimento dessa regra pode acarretar multas e em toque de recolher, dependendo do governo local.

O que muda com o Lockdown

Quando as medidas prévias de isolamento social e quarentena não são suficientes para reduzir os casos da doença, algumas cidades começam a implementar o lockdown. Dessa forma, buscam achatar a curva de infectados e óbitos, e reduzir o fluxo de pacientes aos hospitais e evitar que o sistema de saúde entre em colapso.

Na prática, o confinamento limita a circulação de pessoas para atividades não essenciais, podendo gerar multas para quem não cumprir a ordem, e toque de recolher em horários pré-estabelecidos.

Tipos de Isolamento Social

Esses termos se tornaram parte do nosso dia a dia e podem gerar certas dúvidas quanto aos seus significados. Apesar de terem o mesmo objetivo que é manter as pessoas em casa, essas palavras não são sinônimas.

Isolamento Vertical: É limitado ao grupo de risco, idosos e pessoas com doenças pré-existentes que possuem maiores chances de apresentarem quadros mais graves da doença.

Isolamento Horizontal: Nesse tipo de isolamento, não há limitações de grupos e todos devem ficar em casa. Isso restringe a circulação e aglomeração de pessoas e reduz a disseminação do vírus.

Quarentena: Pessoas que tiveram contato com pacientes contaminados pelo vírus ou estiveram em regiões com surtos da doença, devem se manter em quarentena. A duração da quarentena é determinada de acordo com o período de incubação (tempo em que a doença se manifesta), e pode variar de 1 a 14 dias. O objetivo é observar ao longo dos dias, se a pessoa apresenta algum sintoma e assim controlar a propagação do novo Coronavírus.

Lockdown: É uma medida imposta pelo Estado. Caso o isolamento social e a quarentena não sejam suficientes ou respeitados, o Estado intervém para limitar a circulação da população, o que inclui o fechamento de vias (proibindo deslocamentos não essenciais) e locais públicos e privados.

What are coronaviruses? 1

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the COVID-19 virus? 2

TOs primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the difference between COVID-19 and the flu? 3

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

How is the virus spread? 4

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are the symptoms? 5

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are coronaviruses? 1

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the COVID-19 virus? 2

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the difference between COVID-19 and the flu? 3

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

How is the virus spread? 4

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are the symptoms? 5

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are coronaviruses? 1

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the COVID-19 virus? 2

TOs primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the difference between COVID-19 and the flu? 3

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

How is the virus spread? 4

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are the symptoms? 5

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are coronaviruses? 1

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the COVID-19 virus? 2

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What is the difference between COVID-19 and the flu? 3

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

How is the virus spread? 4

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

What are the symptoms? 5

Os primeiros sintomas das infecções por COVID-19 e influenza (gripe) geralmente são muito semelhantes. Ambos causam febre e sintomas respiratórios semelhantes, que podem variar de leves a graves e, às vezes, podem ser fatais.

Ambos os vírus também são transmitidos da mesma maneira, tossindo ou espirrando, pelo contato com as mãos ou através de superfícies ou objetos contaminados pelo vírus. Como resultado, as mesmas medidas de saúde pública, como higiene das mãos (lavagem das mãos), boa etiqueta respiratória (tosse no cotovelo ou no lenço de papel com descarte imediato do lenço) e boa limpeza doméstica são ações importantes para prevenir ambas as infecções.

The speed of transmission is an important difference between the two viruses. Influenza typically has a shorter incubation period (the time from infection to appearance of symptoms) than COVID-19. This means that influenza can spread faster than COVID-19.

While the range of symptoms for the two viruses is similar, the fraction with severe disease appears to be higher for COVID-19. While most people have mild symptoms, approximately 15% of people have severe infections and 5% require intensive care in a hospital ICU. The proportions of severe and critical COVID-19 infections are higher than for influenza infections.

Últimas Boas Notícias

Atualizados Recentemente

Descubra as atualizações que você precisa saber sobre prevenção, isolamento e tratamentos da COVID-19.

Receba nosso Informativo

Participe da nossa lista de inscritos para receber as últimas notícias e atualizações sobre o COVID-19 entregues diretamente em seu email.